As transformações radicais pelas quais a sociedade passou nas últimas décadas, em especial por causa do avanço da tecnologia, da globalização e dos novos meios de comunicação, estão gerando uma série de problemas comportamentais, físicos e emocionais. Estamos nos referindo às doenças do século 21.

O fato é que o acesso a tantas informações, somado ao crescimento populacional, tem resultado no aumento exponencial da demanda por produtos e serviços. Consequentemente, todos estão vivendo sob mais pressão, seja no trabalho, seja na vida pessoal.

Continue a leitura do artigo para entender mais sobre o assunto!

Como a rotina atual tem influenciado a vida das pessoas?

Junto às facilidades obtidas pela forte presença tecnológica, vieram as doenças do século 21, pois o ser humano necessita se esforçar cada vez menos, a ponto de chegar ao sedentarismo que — aliado a uma rotina estressante e uma alimentação irregular — está diretamente ligado ao surgimento de problemas como:

  • depressão;
  • obesidade;
  • trombose;
  • ansiedade;
  • insônia.

Outros aspectos que elevam o índice de aparecimento de problemas como esses é o estresse proveniente do trabalho desgastante, excesso de expectativas sociais e preocupações com o futuro.

Quais são as principais doenças do século 21?

Diferentemente de como foi em períodos mais remotos da sociedade, as doenças do século 21 estão mais ligadas a fatores emocionais e psicológicos. O excesso de informação, os maus hábitos alimentares, o aumento das responsabilidades e a falta de exercícios físicos promove doenças como as explicadas a seguir.

Síndrome de Burnout

Condições de trabalho desgastantes são a principal razão da Síndrome de Burnout, que também é conhecida como distúrbio causado pelo esgotamento mental do trabalhador, principalmente devido ao estresse gerado pelo excesso de cobrança.

Transtorno de ansiedade

A preocupação excessiva — a ponto de ser desproporcional ao motivo — provoca o Transtorno de Ansiedade. Ela pode ser notada quando a pessoa apresenta dificuldades para relaxar, está bastante nervosa, se sente muito pressionada pelos compromissos e faz muita autocobrança.

Em níveis mais agravados, o indivíduo pode chegar a uma crise de ansiedade que acarreta sintomas como taquicardia, respiração ofegante e dificuldades para se localizar no espaço e no tempo (despersonalização).

Obesidade

Como já foi dito, hoje, as pessoas se esforçam cada vez menos por conta das facilidades da tecnologia. Para se locomoverem, utilizam o carro ou aplicativos de mobilidade; para se alimentarem, usam aplicativos de entrega de comida. Esses fatores, sobretudo quando aliados, contribuem diretamente com o aumento do risco de obesidade.

Depressão

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente há pelo menos 350 milhões de pessoas com depressão em todo o mundo. Tal doença é definida como um transtorno mental comum que apresenta como principais características:

  • tristeza;
  • ausência de prazer;
  • perda de interesse por atividades cotidianas;
  • cansaço;
  • angústia frequente;
  • oscilações de sentimentos de culpa e baixa autoestima;
  • falta ou excesso de apetite e sono.

Síndrome do pânico

Pertencente ao grupo dos transtornos fóbicos ansiosos, a Síndrome do Pânico faz parte das doenças ou sintomas que desencadeiam excessos de ansiedade causados por circunstâncias que, embora não provoquem perigo, produzem desespero e sofrimento intenso na mente de quem sente.

Em geral, crises de pânico apresentam sintomas como:

  • coração acelerado;
  • falta de ar;
  • tremores;
  • suor excessivo;
  • desconforto abdominal;
  • náuseas.

Qual o papel da empresa na conscientização de seus colaboradores?

As doenças do século 21 conseguem acarretar uma série de problemas para as empresas, já que o funcionário pode precisar se ausentar do trabalho para se tratar ou, até mesmo, deixar a organização de vez, afetando o quadro de pessoal. Sendo assim, algumas formas de atuar na prevenção desses problemas são:

  • oferecer alimentação saudável;
  • incentivar a prática de atividades físicas;
  • proporcionar pequenos momentos de alongamento e relaxamento durante o expediente;
  • estimular os colaboradores a meditarem e realizarem atividades que reduzam o estresse.​

Para concluirmos, é importante mencionar que, com uma equipe mais saudável em aspectos físicos e mentais, a empresa será mais produtiva e terá um ambiente de trabalho agradável, reduzindo o aparecimento de doenças do século 21 e, consequentemente, o índice de rotatividade.

Este artigo foi útil para você? Quer que mais pessoas tenham acesso às informações que foram abordadas aqui? Então compartilhe-o com seus amigos nas redes sociais!

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta